fbpx

Dormir bem é o melhor remédio

Rua Dr. Veiga Filho, 350 | 7ºandar - Higienópolis - São Paulo

sem sono

O que fazer quando estiver sem sono (por um especialista)

Muitas pessoas acham que uma noite sem sono é algo comum..

E tudo bem se você precisou sacrificar uma noite de descanso noturno para terminar um trabalho de faculdade, um projeto do seu trabalho, ou até para curtir uma vez ou outra…

Na verdade, não é assim “tudo bem”, mas é algo compreensível quando não é recorrente.

Agora, se você fica recorrentemente sem sono, saiba que algum hábito do seu cotidiano precisará ser modificado ou, de alguma forma, você pode estar sofrendo com algum problema relacionado à insônia ou outro distúrbio do sono.

Você sabe o que te leva a ficar com insônia? E o que você faz quando não consegue dormir?

Conta carneirinhos? Recorre ao seu smartphone? Nem liga, afinal dormir é para os fracos?

Fique atento, porque o sono é essencial, você precisa dele para uma rotina saudável. Cuidar da qualidade do seu descanso é fundamental para que você tenha boa performance nas suas atividades do dia a dia.

Pensando em você, esse artigo vai te dar dicas do que fazer quando você estiver sem sono.

Então preste atenção nos próximos parágrafos e entenda porquê.

Motivos que podem fazer você ficar sem sono

Você sabia que todas pessoas que ficam sem sono não sofrem do mesmo problema?

A falta de sono pode ser decorrente de maus hábitos ou fruto de doenças crônicas, psicológicas e que afetam as habilidades cognitivas.

Existe a famosa insônia, que faz com que você não consiga pegar no sono.

E essa insônia pode ser classificada dentro de vários aspectos, como decorrência de anomalias, depressão, ansiedade, estresse, fruto da idade avançada ou até mesmo do consumo excessivo de substâncias como álcool, nicotina e cafeína.

O fato de você estar recorrentemente sem vontade de dormir faz com que você precise ficar atento aos sintomas dessas doenças ou nos seus hábitos, para saber o quão saudáveis eles estão sendo para você.

Além da insônia, há situações onde a pessoa até consegue pegar no sono, mas tem lapsos durante a noite, acorda e não consegue voltar a dormir profundamente.

Nesses casos, doenças como apneia do sono, narcolepsia e hipersônia precisam ser diagnosticadas.

Mas, em todo caso, o foco deste artigo é falar com você, que costumeiramente fica sem sono na hora de descansar à noite.

E você precisa entender o que a falta de sono pode fazer com o seu dia e o que você pode fazer para não ficar assim.

O que a falta de sono pode acarretar no seu dia a dia

sem sono

A falta de sono pode acarretar em diversos transtornos em seu cotidiano.

Pare para pensar: se a nossa vida é um conjunto de ações diárias que compõe a nossa rotina, a falta de qualidade em uma dessas ações quebrará um padrão, e isso pode ser prejudicial para nós.

Assim, quando você fica sem sono e não dorme bem à noite, automaticamente todo o seu dia pode ser prejudicado.

Quando você está sem dormir durante uma noite, as suas habilidades cognitivas, como o reflexo ou concentração, ficam demasiadamente prejudicadas.

Isso acaba te colocando em risco nos seus afazeres diários, como no trabalho e nos estudo, e ainda pode te deixar exposto a perigos físicos na rua, por exemplo.

Para que você vença esse problema, busque conhecimento sobre doenças relacionadas ao sono e faça uma autoanálise da sua postura diária, justamente para saber quais hábitos você pode mudar para que você deixe de ficar nesse estágio.

O que você precisa fazer para não ficar sem sono

Antes de mais nada, quando você reparar que não está conseguindo dormir, respire fundo e tente achar o gatilho que está te levando à insônia.

Os motivos da falta de sono podem ser inúmeros. Mas, antes de você ir até a raiz do problema, precisará achar o que está te deixando sem dormir.

Uma preocupação? Ansiedade? Uma fresta de luz acesa? Calor? Clima inadequado? Barulho?

Enfim, saiba o que está te deixando sem sono.

A partir do momento em que você identificar o problema, comece a combatê-lo.

Uma outra dica é você levantar da cama e encarar os seus problemas. É verdade que, para quem não sofre com falta de sono, é fácil falar isso. Mas saiba que esse é o momento perfeito para você encarar os seus problemas e vencê-los.

Ocupe o seu cérebro e mande para longe qualquer preocupação e ansiedade que te deixe em alerta.

Mas, além das preocupações e ansiedade…

Sabe aquela história de contar carneirinhos quando você está sem sono?

Então, ela é um exemplo do relaxamento de que algumas imagens podem nos levar.

O barulho do mar, por exemplo, é extremamente relaxante para nos fazer dormir.

Então, além de se concentrar em afastar problemas que assombram a sua mente para conseguir pegar no sono, concentrar-se em conseguir dormir também é muito importante.

Técnicas como as de contagem e interrupção de pensamentos são muito boas para te fazer dormir.

Além disso, as técnicas de respiração também são muito importantes para fazer com que você consiga ter uma boa noite de sono.

Por fim, veja uma lista de hábitos que você pode incorporar em sua rotina para que você deixe de ficar sem sono.

Lista de hábitos para que você vença a insônia

sem sono

  • Tenha uma rotina de sono (ou seja, horário para dormir e acordar);
  • Não fique revirando-se na cama, caso não esteja conseguindo dormir. Levante-se e faça outra coisa, como a leitura de um livro;
  • Não coma alimentos pesados à noite;
  • Pratique exercícios físicos, mas os evite perto do horário de sono;
  • Prepare um ambiente de sono escuro, tranquilo e arejado;
  • Evite álcool, nicotina e cafeína em excesso, principalmente antes de dormir;
  • Não durma muito durante o dia, no máximo, um cochilo de 20 a 30 minutos após o almoço.

O conhecimento vence a falta de sono

Agora você que costumeiramente fica sem vontade de dormir, vai vencer esse problema com o conhecimento.

Sabe todas as dicas que demos neste artigo?

Então, você pode encontrar muito mais dessas dicas baixando o e-book gratuito “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono.

Tudo o que você viu nesse texto é apenas um resumo de tudo o que você pode obter lendo esse e-book.

Se você estava acostumado a ficar sem sono, ao tomar conhecimento das técnicas do e-book “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”, você vai conseguir vencer essa dificuldade facilmente.

Não perca tempo, clique no link abaixo e baixe gratuitamente o e-book para vencer a insônia aplicando as técnicas de conhecimento sobre a falta de sono.

➥ Quero baixar o e-book gratuito para vencer a falta de sono

excesso de sono

Excesso de sono é um problema? O que indica?

A falta de sono é um problema, todos nós sabemos disso.

Praticamente todo mundo conhece alguém que sofra de insônia ou alguma outra anomalia do tipo. Mas você sabia que excesso de sono também pode ser um problema a ser tratado?

E não estamos falando daquela pessoa que vive cansada pois não sabe administrar bem o seu tempo, logo, dorme pouco e não consegue ter o devido tempo de descanso.

Estamos falando de pessoas que dormem bastante, muitas vezes num fluxo superior a dez horas diárias, mas, mesmo assim, ainda tem excesso de sono.

Embora seja difícil, se você se identifica nessa situação, abra os olhos.

Você pode estar sofrendo de hipersonia, doença crônica que caracteriza-se justamente pelo excesso de sono.

Continue com a leitura e entenda melhor o assunto.

Como é o excesso de sono da hipersonia

O excesso de sono causado pela hipersonia chega a ser incontrolável.

Você pode ter descansado todo o tempo do mundo, mas no primeiro lugar que você se recosta, o sono bate e você dorme.

Essa doença pode ser fruto de várias outras doenças que interferem nas habilidades cognitivas, e, por isso, pode interferir diretamente no dia a dia de quem sofre dela.

Para que você venha ter uma ideia do estado em que está o seu excesso de sono, o Dr. Murray Johns criou o teste de sono Epworth.

Nesse teste, você pode aferir o grau do seu cansaço durante o dia.

Para isso, você precisará ser sincero consigo mesmo e classificar de 0 a 3 a possibilidade de você dormir em determinadas situações, sendo elas:

  • Ler sentado;
  • Assistir televisão;
  • Sentado quieto em um local público, como uma praça, cinema ou teatro;
  • Sentado como passageiro em um carro em um trajeto sem paradas por uma hora;
  • Deitado durante a tarde;
  • Sentado conversando com alguém;
  • Sentado quieto após o almoço (sem ter ingerido bebidas alcoólicas);
  • Dentro de um carro parado, após alguns minutos no trânsito.

As respostas podem variar do menor número, zero, sendo de menor possibilidade de você dormir durante a realização dessas atividades, para o maior, nove, sendo de maior possibilidade de você dormir durante a realização dessas atividades.

Caso a soma de todas as respostas dê um resultado até nove pontos, você pode se considerar alguém livre da hipersonia.

Agora, se o resultado for superior a nove, sim, você precisa se preocupar com o seu excesso de sono.

As possíveis causas do excesso de sono

Além da má administração das atividades cotidianas, o excesso de sono também pode ser fruto de algumas doenças clínicas, crônicas, mentais e emocionais.

Essas doenças podem gerar o excesso de sono logo no início dos seus sintomas ou podem ser fruto de um estado decorrente da doença.

Em todos os casos, é muito importante que haja o conhecimento do problema para um diagnóstico prévio das doenças, mas sem nunca substituir o diagnóstico clínico de um especialista.

Um especialista não apenas irá detectar a doença, como também trabalhará com as melhores soluções para a sua recuperação.

Dentre essas doenças que podem provocar excesso de sono e afetar as suas habilidades cognitivas, estão:

  • Depressão;
  • Hipertireoidismo;
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • Mal de Parkinson;
  • Tumor cerebral;
  • Narcolepsia;
  • Síndrome de apneia obstrutiva do sono.

Todas essas doenças podem provocar excesso de sono em maior ou menor grau.

Medicamentos podem causar excesso de sono

excesso de sono

Além de todas as doenças acima citadas, outro problema que pode causar excesso de sono são os medicamentos.

Muitas dessas drogas utilizadas para confortar o estado de dor em diversos tipos de doenças podem causar excesso de sono.

Esse efeito colateral pode ser visto em medicamentos como diazepan, morfina, entre outros antialérgicos e analgésicos que combatem doenças como artrose, por exemplo, sendo alguns utilizados até mesmo no tratamento de combate ao câncer.

Então, como vencer o excesso de sono?

Primeiramente, é importante que você conheça os motivos pelo qual você pode estar tendo excesso de sono, que já foram expostos neste artigo.

Com isso, você terá uma noção da problemática e conseguirá entender melhor o diagnóstico médico.

Antes de qualquer consulta médica, faça para si mesmo as seguintes perguntas:

  • Quantas horas eu tenho dormido?
  • Tem sido o suficiente para o meu descanso?
  • Eu acordo me sentindo cansado?
  • Eu vou ficando mais cansado conforme o dia vai passando?
  • Qual momento do dia que a sonolência é maior?
  • Como tem sido meu descanso? direto ou “picotado” com cochilos durante o dia?

A resposta dessas perguntas te levará a uma autoanálise da qualidade do seu descanso, e adiantará um futuro diagnóstico médico.

Depois desse processo, é importante que você procure auxílio clínico de um especialista em saúde do sono, para entender os motivos que te dão tanto sono.

Com o diagnóstico feito, você começará o tratamento contra a anomalia que tem te deixado cansado de forma excessiva durante o dia.

Hábitos para prevenir o excesso de sono

excesso de sono

Tudo em excesso faz mal, e com o sono não é diferente.

Para prevenir que o cansaço excessivo prejudique as suas atividades cotidianas, é importante que você tenha uma vida equilibrada, com uma alimentação saudável, organização das suas atividades, prática de exercícios físicos e controle no consumo de substâncias viciantes como nicotina, cafeína e bebidas alcoólicas.

Você não precisa ter uma rotina escrita no papel (embora, convenhamos, que isso ajude), mas se você praticar hábitos saudáveis para a sua saúde, já é um ótimo caminho para combater o excesso de sono, muitas vezes fruto de uma vida estressada e/ou sedentária.

Agora que você sabe como combater o excesso de sono…

Agora que você entendeu que pode combater o excesso de sono, eu preciso te dar a notícia de que ainda há muito mais a aprender sobre a saúde do seu sono.

Para isso, estamos disponibilizando o download gratuito do e-book “Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

Você baixando esse e-book, poderá ter ainda mais dicas de como combater o excesso de sono e ter uma vida mais ativa e saudável.

A sua saúde está nos seus hábitos cotidianos, ou seja, quanto mais a sua rotina for regrada, mais chances de você ter uma vida saudável.

Clique no link abaixo e baixe agora o “Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono” e saiba lidar com o controle do seu descanso.

➥ Quero baixar o e-book gratuito para uma boa noite de sono agora

sono rem

Uma explicação detalhada sobre o sono REM

Você já acordou com a sensação de que, em momentos durante a sua noite de sono você esteve, na verdade, acordado?

Saiba que isso é normal e tem nome, sono REM.

Por meio do sono REM, os seus sonhos durante a noite parecem estar vívidos e você os recorda durante o dia.

Uma coisa é fato, todos nós, seres humanos, sonhamos. E mais, sonhamos de 4 a 6 vezes todas as noites.

O que difere a intensidade dos nossos sonhos e o quanto lembraremos dele durante o dia seguinte é justamente o ciclo do nosso sono e o movimento dos nossos olhos enquanto dormirmos, justamente o ponto onde encontra-se sono REM.

Parece estranho? Confira a seguir mais detalhes sobre esse tema tão curioso.

Mas o que é sono REM?

Sono REM vem da sigla em inglês para Movimento Rápido do Olho (Rapid Eye Movement).

Durante o sono REM, nossas ondas cerebrais noturnas geram uma atividade tão intensa quanto quando estamos acordados.

Justamente por isso, às vezes nos lembramos dos sonhos que tivemos à noite no dia seguinte, e às vezes não.

Quanto maior for a fase do sono em nossa noite de descanso, mais claramente nos lembraremos dos nossos sonhos, mesmo após acordarmos.

É devido às nossas atividades cerebrais durante a noite, por meio da movimentação dos nossos olhos, que em determinadas situações alguns sonhos são mais claros no dia seguinte, enquanto outros apenas nos lembramos de forma “picotada”.

Como acontece o sono REM?

sono rem

Mesmo enquanto o nosso corpo entra em fase de relaxamento e descanso, e dormimos, o nosso cérebro segue funcionando e a sua atividade está direcionada ao processo do sono REM.

Para acordar com a boa disposição no dia seguinte, o nosso cérebro precisa passar, enquanto dormimos, por uma série de processos que auxiliam na manutenção das nossas habilidades cognitivas

Isso é muito importante para que durante o dia tenhamos atenção, reflexo, bom raciocínio, entre outras coisas.

Quando você é acordado durante o sono REM, o seu índice de atenção aumenta, tanto quanto como se você estivesse acordado.

Por isso que as suas memórias do que “aconteceu” durante esse período seguem tão frescas, mesmo quando você acorda.

Isso acontece porque o seu cérebro se encontra trabalhando no mesmo nível de intensidade como se você estivesse acordado.

Além das “fotografias” do sonho na nossa memória, é natural ter algumas reações durante o período do sono REM.

Por exemplo, se você está tendo um sonho intenso, onde seu cérebro entende que você está em uma briga, a possibilidade de você dar um soco, seja no vento ou em quem tiver perto de você, mesmo enquanto dorme, é grande.

Quanto tempo dura o sono REM?

A variação média de sono REM por noite em um ser humano normal, sem nenhum tipo de distúrbio do sono, como insônia e afins, é de quatro a seis vezes por noite.

A tendência é que essas variações sejam menos intensas no início do ciclo de descanso noturno e maiores no final.

Se o tempo ideal de sono por noite, em minutos, é de 420 a 480 minutos, 90 a 120 minutos são apenas de sono REM.

Ou seja, se dormirmos de 7 a 8 horas por noite, de 1 hora e meia a 2 horas são apenas desse tipo de sono.

Outro fator que interfere diretamente no sono REM é a idade.

Enquanto bebês recém-nascidos tem 80% do seu ciclo de sono em REM, um idoso com idade superior a 70 anos, tem 10% de sono REM durante o seu ciclo.

Essa taxa em jovens e adultos, é em cerca de 20% do total de seu sono.

O sono REM é profundo

O nosso período de descanso noturno é composto por ciclos. No decorrer deles, o sono varia de fases entre leve e profundo. O sono REM é justamente a última fase do sono profundo.

A primeira fase do sono leve começa quando fechamos os olhos, e ela demora cerca de 10 minutos para que entremos em transe. Por isso, geralmente não lembramos o momento exato em que dormimos.

Nesse momento, a nossa respiração diminui, ficando mais lenta, e qualquer pequeno barulho ou fresta de luz em direção ao nosso rosto pode nos acordar.

Depois disso, entramos na segunda fase, ainda de um sono leve, que dura uns 20 minutos.

Nesse momento, já entramos no ciclo do sono, mas o nosso cérebro parece ainda estar em atividade, principalmente quando levamos alguma preocupação ou ansiedade para a cama.

Durante essa fase, que contempla a primeira meia-hora do sono, qualquer movimentação atípica pode despertar-nos.

A partir daí o sono começa a entrar em sua fase profunda, antes de chegar à fase do sono REM.

O seu corpo descansa, o seu cérebro desliga e você oficialmente entra em estado de hibernação.

Só que essa fase de descanso completo não permanece em todo ciclo noturno, justamente porque durante o seu sono profundo entra o sono REM.

Esse sono ativa o seu cérebro para situações que passam pela sua cabeça enquanto você dorme: os sonhos.

Sono REM: benefícios e distúrbios

sono rem

De modo geral, o sono REM é muito importante, pois faz parte do nosso processo natural de descanso.

Além disso, respeitar cada fase do sono é importante para liberar hormônios, prevenir doenças, fortalecer o organismo e ativar a memória.

Entretanto, é importante tomarmos cuidados com distúrbios relacionados ao sono REM.

Um dos principais distúrbios é o sonambulismo, onde, mesmo inconsciente, você pode conseguir realizar atividades cotidianas, como levantar da cama, andar, se vestir, comer, correndo o risco até de sair de casa durante esse estado.

Além disso, o nível de estresse mental do sonâmbulo pode levar a comportamentos agressivos perigosos, já que a pessoa, enquanto inconsciente, não está em plenas faculdades mentais

O Guia para uma Boa Noite de Sono

Agora que você já sabe da importância de alcançar o estágio profundo do sono REM, precisa ter também maiores conhecimento, tanto quanto a esse nível de sono, quanto a outras informações sobre o seu estado de descanso.

Ao obter informações sobre o sono, você conseguirá se atentar a situações que não vêm permitindo você ter um ciclo de sono tão completo. Detectando problemas, você poderá adquirir hábitos que podem melhorar muito o seu descanso.

O e-book “O Guia para uma Boa Noite de Sono” está disponível para download e conta com muitas informações extremamente relevantes para que você tenha boas noites de descanso, alcançando o sono REM.

Não perca tempo, cuide da sua saúde, zelando pelo seu sono.

Clique no link abaixo e baixe gratuitamente o e-book “O Guia para uma Boa Noite de Sono”.

➥ Quero baixar o e-book gratuitamente para melhorar o meu sono

sentir muito sono

Mais explicações sobre sentir muito sono

Você costuma sentir muito sono em suas atividades cotidianas?

Não, não estamos falando apenas daquele cansaço excessivo depois de uma noite mal dormida, mas, sim, de um sono constante em diversas atividades do seu cotidiano.

Se você é um tipo de pessoa que costuma sentir muito sono sempre, saiba que é importante observar bem os hábitos durante da sua rotina e, se for o caso, procurar uma ajuda clínica.

Isso porque pessoas que costumam sentir muito sono podem ser vítimas de hipersonolência.

Esse quadro pode ser resultado de doenças clínicas, como o mal de parkinson, hipertireoidismo e AVC; ou de doenças psicológicas e emocionais, como depressão e crises de ansiedade.

Pode ainda ser também resultado de síndromes, como a narcolepsia e apneia do sono.

Se você não está sentindo disposição no seu dia a dia, sente muito sono praticamente o tempo todo, continue com essa leitura.

Vamos entender melhor o que pode estar acontecendo com você.

Mas quais o motivos de sentir muito sono?

A vida de quem costuma sentir muito sono é bastante complicada, pois nos dias atuais tudo é muito corrido e as atividades do cotidiano são bastante intensas.

O primeiro ponto de atenção para diagnosticar qualquer tipo de problema relacionado ao sono que você pode ter, é fazendo a contabilidade do seu tempo diário de sono.

Muitas pessoas tendem a sentir muito sono porque não possuem organização em seu estilo de vida, por isso dormem uma quantidade de tempo bem abaixo da ideal e se desgastam muito mais do que conseguem repor as suas energias.

Entretanto, quando as suas horas de sono estiverem na quantidade recomendada (7 a 9 horas por noite), e ainda assim você costuma sentir muito sono aonde quer que você vá, é importante que você fique atento e procure uma ajuda clínica para diagnosticar e tratar possíveis problemas relacionados à saúde do sono.

Quando é normal sentir muito sono?

Podemos dividir a sua insônia em dois quadros, ou graus de intensidade.

No primeiro quadro, o fato de você sentir muito sono está relacionado com a fadiga natural, decorrente do estresse, rapidez e intensidade das nossas atividades diárias. Nesses casos, acaba sendo normal sentir muito sono.

Seja no trabalho, na escola, em casa e nas nossas relações interpessoais, somos constantemente expostos a situações estressantes que podem nos consumir muita energia.

Contudo, esse estresse diário pode nos levar, também, ao segundo quadro da sonolência, que corresponde a problemas clínicos que precisam ser tratados por algum especialista.

Sentir muito sono é prejudicial para a sua saúde

sentir muito sono

Em quadros clínicas, sentir muito sono é incidência de doenças que afetam, de alguma maneira, o nosso cérebro e acabam interferindo diretamente nas nossas habilidades cognitivas.

Quando sentimos sono, naturalmente as nossas capacidades de concentração, atenção e reflexo são prejudicadas.

Além do mais, o nosso estado de exposição ao sono nos leva a um nível maior de estresse, o que é muito prejudicial em nossos relacionamentos interpessoais.

A alteração do humor e outros distúrbios ocorrem por conta da sobrecarga emocional que agem diretamente no sistema nervoso.

Ou seja, tratar problemas como hipersonolência ou doenças que provocam o sono excessivo é fundamental não só para a sua qualidade de vida, como também na qualidade de vida das outras pessoas ao seu redor.

Como deixar de sentir muito sono

Primeiramente, adeque os seus hábitos cotidianos. Tudo em excesso faz mal, e sentir muito sono também provocará impactos negativos na sua saúde.

Se você consegue se dar bem com rotina, foque em práticas nas quais você pode repetir diariamente.

Hora para acordar, tomar um café, sair de casa para o trabalho, almoçar, chegar em casa, tomar um banho, dormir…

Se você é um tipo de pessoa que não tem a palavra rotina em seu dicionário, é importante que faça um planejamento diário quanto às suas atividades no dia seguinte.

Assim, você não irá dormir tarde para acordar cedo, não se desgastará mais do que consegue repor as suas energias e dificilmente vai sentir muito sono.

Agora, se mesmo tendo uma vida regrada em suas atividades diárias ainda costuma sentir muito sono, deverá procurar um diagnóstico com um especialista para saber se você está sofrendo de hipersonolência.

Para isso, primeiramente busque conhecimento sobre os estados da hipersonolência e como ela interfere nas suas atividades diárias e nas suas habilidades cognitivas.

Mas atenção: nunca deixe de procurar o diagnóstico de um especialista do sono só porque você se informou mais sobre o assunto.

A importância de você ter conhecimento sobre a doença que pode estar te afetando está justamente em relacionar seus sintomas com o que você está sofrendo e ter noção para conversar com o especialista no momento do diagnóstico.

Como já dissemos nesse texto, muitas doenças podem acarretar em muito sono, e isso pode derivar de doenças clínicas, emocionais e síndromes.

Vença o problema de sentir muito sono

sentir muito sono

Quando você colocar em prática uma rotina saudável, onde a saúde do sono também faz parte do processo de qualidade de vida, você verá que, aos poucos, deixará de sentir muito sono.

Até mesmo quem sofre de problemas clínicos pode ser beneficiado por uma melhor rotina de sono. Isso porque o sono é essencial para a manutenção das defesas do nosso organismo.

Claro que essa disposição em construir uma rotina saudável para as suas atividades diárias, incluindo o seu sono, é muito importante, mas não pode ser substituída pelos tratamentos específicos.

Hábitos para que você melhorar o seu sono

Para que você ter uma rotina saudável em todos os aspectos nas suas atividades diárias, inclusive sem sentir muito sono, é importante que você:

  • Tenha uma boa alimentação;
  • Faça exercícios físicos (mas evite à noite ou próximo da hora de dormir);
  • Prepare o ambiente em que você vai dormir, deixando-o escuro, tranquilo e bem arejado;
  • Evite levar aparelhos eletrônicos, como celular e notebook, para cama;
  • Também evite utilizá-los próximos à hora de dormir;
  • Evite levar problemas na cabeça para cama;
  • Caso sinta dificuldade para dormir, não fique se revirando no colchão. Levante-se e faça outra coisa, como ler um livro ou escrever (não use aparelhos eletrônicos!);

O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono

Agora que você sabe um pouco mais sobre os problemas relacionados a sentir muito sono, é importante que você saiba que há muito mais conhecimento prático relacionado à saúde do sono que você usar a partir de hoje.

O “Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono” é um e-book disponível para download gratuito onde você terá acesso a maiores informações e dicas para que você cuide melhor da saúde do seu sono.

Com o guia, você poderá ter saberá quais são as  doenças que podem te fazer sentir muito sono para que, antes do diagnóstico, você já entenda qual é o possível tratamento.

Então não perca mais tempo.

Descubra como você pode melhorar a sua qualidade de vida dormindo melhor, e pare de sentir esse sono que rouba a sua energia e disposição no dia a dia para conquistar seus objetivos.

Clique no link abaixo para o download gratuito agora mesmo.

➥ Quero baixar gratuitamente o e-book “Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”

alimentos que dão sono

31 alimentos que dão sono. Ingerir ou evitá-los?

Comer e dormir. Estão aí duas coisas a maioria das pessoas gostam demais.

Mas, você sabia que existem alguns alimentos que dão sono e precisam ser evitados durante o período do dia?

Pois é, se você é daqueles que curte uma comida japonesa na janta, é fã de produtos lácteos, como leite, manteiga e afins, é do time das nozes e amendoins ou não dorme sem aquele chazinho de camomila, é bom se policiar para que ele não prejudique as suas atividades diárias.

Estamos sempre em busca da rotina perfeita, para isso a relação entre alimentação e descanso é muito importante.

É justamente por isso que é fundamental que você tenha conhecimento quanto aos alimentos que dão sono, pois eles precisarão ser evitados em casos onde é necessário ativação cerebral, mas consumidos em casos como de insônia.

Esse artigo então, tem como objetivo informar você quanto aos alimentos que dão sono, como consumi-los, de que forma e em quais ocasiões.

Por que existem alguns alimentos que dão sono?

Antes de disponibilizarmos para você uma lista de alimentos que dão sono, é importante que você entenda o motivo no qual eles interferem diretamente em suas habilidades cognitivas.

Claro, muitas vezes temos em nós um cansaço que parece crônico, mas na verdade ele nada mais é do que preguiça ou reflexo do nosso cotidiano agitado, que faz com que descansemos muito pouco.

Entretanto, não podemos desconsiderar problemas como insônia e ansiedade que influenciam diretamente em nosso descanso noturno.

E é aí que a nossa atenção precisa redobrar no que diz respeito aos alimentos que dão sono.

Por um lado, eles podem ser muito benéficos para ajudar a dormir, mas por outro, consumidos em horários não indicados, podem gerar cansaço em momentos de atividade cotidiana.

Então, entramos na palavra-chave em toda vida saudável: equilíbrio.

Ter uma rotina equilibrada faz com que consumamos os alimentos que dão sono em um fluxo dentro do necessário.

Conhecer sobre o sono é fundamental para uma vida equilibrada e saudável.

E quando combinamos sono com alimentação então, esse equilíbrio é mais do que meio caminho andado para uma vida cheia de saúde.

As substâncias dos alimentos que dão sono

Alguns alimentos que dão sono são ricos em cálcio, potássio e magnésio, e essas substâncias têm algo em comum: O triptofano,  aminoácido que fomenta a produção do hormônio do sono, chamado melatonina.

Ou seja, ao consumir alimentos ricos em triptofano, a tendência é que o seu corpo entre mais facilmente em estado de repouso, gerando cansaço e sono.

Por um lado, isso é bom para as pessoas que sofrem com insônia.

Por outro, ao consumir esse tipo de alimento na parte da manhã ou na hora do almoço por exemplo, pode ser muito prejudicial para a continuidade das atividades diárias.

Alimentos que dão sono

alimentos que dão sono

Podemos classificar os alimentos que dão sono da seguinte forma: frutas, legumes e verduras, carnes, alimentos lácteos e grãos.

Todos esses grupos de alimento têm em comum o triptofano, seja os ricos em carboidrato, cálcio, potássio e magnésio, todos esses ativam o “hormônio do sono”.

Frutas

  1. Banana
  2. Água de coco
  3. Abacate
  4. Cereja

Legumes e verduras

  1. Alface
  2. Brócolis
  3. Couve

Carnes Bovinas

  1. Picanha
  2. Alcatra
  3. Maminha
  4. Patinho
  5. Costela
  6. Fraldinha
  7. Filé Mignon

Peixes

  1. Salmão
  2. Atum
  3. Peixes utilizados em comidas orientais

Grãos

  1. Amêndoas
  2. Nozes
  3. Sementes de abóbora

Alimentos lácteos

21.Queijos

  1. Leite
  2. Margarina
  3. Iogurte
  4. Manteiga

Outros

  1. Ovo
  2. Mel
  3. Chocolate
  4. Aveia
  5. Chá de camomila
  6. Arroz branco

Benefícios dos alimentos que dão sono

A ingestão de alimentos que dão sono são muito benéficas dentro de uma ideia de que leva você a dormir.

Para termos ideia de como é importante ficarmos alertas aos distúrbios do sono, uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira do Sono, confirmou que 53,9% das pessoas sofrem de insônia no Brasil.

Mas engana-se quem acha de que só de insônia vive as doenças relacionadas ao sono.

Há uma classificação oficial que qualifica uma série de fatores relacionados as doenças do sono, dentro de grupos estabelecidos de acordo com o tipo da doença.

Sendo assim, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um levantamento no mundo inteiro que concluiu que 40% das pessoas possui algum distúrbio do sono, relacionando-os a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono.

Dentro das suas substâncias, alguns alimentos citados ajudam no combate a insônia, outros combate a compulsão, outros a depressão, que está relacionada a alguns distúrbios do sono, e alguns alimentos facilitam o ingresso do sono e outros, melhoram a sua continuidade.

Para liberar o descanso dos músculos e despertar no cérebro o desejo de dormir, as substâncias envolvidas nesses alimentos, majoritariamente o triptofano, ativam a melatonina.

Cuidados em relação aos alimentos que dão sono

alimentos que dão sono

Segundo a Sociedade Brasileira do Sono, 43% das pessoas em nosso país costumam sentir sono durante o dia. Esse número pode estar relacionado a uma rotina de sono quebrada, a atividades cotidianas cansativas e aos alimentos que dão sono.

Se alguns alimentos geram cansaço e te levam a dormir à noite, ingeri-los durante o dia pode ser tragédia anunciada, já que eles seguirão tendo esse efeito, porém, em um momento do dia onde é importante que você mantenha-se ativo e sem sono.

Justamente por isso é importante que se você sente que está tendo algum distúrbio do sono, procure um tratamento profissional para diagnosticar o seu problema, e você ter noção do tipo ideal de alimentação dentro das determinadas horas diárias.

Muito mais do que conhecer os alimentos que dão sono

Saber quais são os alimentos que dão sono e como lidar com as suas ingestões é muito importante, porém muito mais importante do que isso é conhecer completamente sobre o seu sono.

Ter noite de sono dentro do ideal, entre sete e nove horas diárias, sem interrupção e com total qualidade, é tão fundamental para uma vida saudável quanto praticar exercícios físicos regulares e ter uma alimentação balanceada.

Justamente por isso, ter noção dos alimentos que dão sono é essencial para a saúde do seu descanso e conhecer o seu sono é de fundamental importância.

Por isso, esse artigo foi um demonstrativo, já que o conhecimento mais completo está disponível para download no e-book “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

Esse material está disponível gratuitamente e, ao baixar, você terá maiores informações para que a sua vida saudável comece após uma noite de sono saudável.  

↪ Quero o meu e-book gratuito agora mesmo.

Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono

Classificação internacional dos distúrbios do sono

Você sabia que existe uma Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono?

Sim, para você que pensava que distúrbio do sono era apenas insônia, saiba, existe, sim, uma Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono.

Por meio dessa classificação, especialistas têm mais subsídios em realizar os seus tratamentos.

A Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono são divididas em seis grupos (transtornos relacionados a insônia, transtornos respiratórios, transtornos de hipersonolência, transtorno do ritmo circadiano, parassonias e transtornos de movimento) que dividem-se, também, em outros subgrupos.

Além desses seis grupos, há, também, um sétimo grupo com distúrbios avulsos que não se enquadram nos citados acima.

Conhecer sobre a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono é importante para a sua saúde

Você pode estar se perguntando como conhecer sobre a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono pode influenciar positivamente na sua vida.

E diferentemente dos questionamentos do ensino médio, sobre onde esse conhecimento vai fazer diferença na minha vida?, a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono pode ser usada, e muito, na sua vida cotidiana.

Principalmente se você fizer parte do grupo de pessoas que costumam se preocupar com a saúde.

Embora essa consciência devesse ser um uniforme em cada cidadão para consigo próprio, todos nós sabemos que na teoria é uma coisa, na prática é outra, e com a correria das atividades diárias, cuidar da própria saúde tornou-se raro entre nós, meros mortais.

Mas, pressuposto que você seja uma pessoa engajada a hábitos saudáveis, que busca estar em forma, saiba que o conhecimento na saúde do sono pode ser fundamental para que você tenha uma rotina com hábitos condizentes a benefícios para a sua a saúde.

Isso porque muitas pessoas relacionam uma rotina saudável apenas com uma boa alimentação e uma rotina de exercícios físicos, entretanto se esquecem que o dia inicia e termina com o sono.

Se você não dormir bem, automaticamente não terá disposição e será difícil manter outros hábitos saudáveis.

Ou seja, cuidar da saúde do sono, a fim de ter uma rotina regrada em tempo de descanso noturno e disposição durante o dia, é muito importante para a sua saúde de modo geral.

Por isso o conhecimento da Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono é importante, pois é através dessa Classificação que você poderá conhecer alguns distúrbios relacionados ao sono que podem ser muito prejudiciais para a sua saúde num todo.

Com esse artigo vamos lhe dar um parâmetro sobre esse conhecimento, na ótica da Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono.

Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono

A primeira coisa que precisamos saber sobre a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono é o motivo pelo qual ela existe.

A priori, essa classificação tem como intuito fazer uma delimitação descritiva sobre as doenças que interferem na saúde do sono, seja do ponto de vista de dificuldade para dormir ou de despertar.

Além disso, a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono tem como intuito criar uma classificação estrutural baseando-se em conceitos clínicos e científicos, mas que também tenham valia razoável para esses dois grupos.

Exemplificações quanto a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono (CIDS)

Entendemos que trazer as informações mais clínicas da CIDS, não te levaria a absorver da melhor forma o conhecimento desses distúrbios.

Então, dividimos em exemplos de doenças conhecidas para dar “uma explicação geral” quanto ao tema e levá-lo ao conhecimento prático.

Transtornos relacionados à insônia

O exemplo mais comum em relação aos distúrbios, é a insônia, que pode ser classificada de diferentes maneiras dentro da Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono.

Diferentemente do que muitos acham, não é apenas a dificuldade em pegar no sono, mas, sim, a insônia pode ser um distúrbio relativo a doenças como a depressão ou síndromes como ansiedade ou compulsão.

Dentro da CIDS, existem 11 tipos de insônia, dentre os tipos estão relacionadas as insônias relativas a doenças mentais, a higiene do sono, causada por drogas ou outras substâncias químicas etc.

Transtornos respiratórios

Desse tipo de transtorno, o mais conhecido e principal transtorno respiratório presente na CIDS é a apneia do sono.

Entretanto, a apneia passa por uma série de estágios e formas, diferindo-se, também, entre crianças e adultos.

Transtornos de hipersonolência

Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono

Diferentemente da insônia, os transtornos de hipersonolência nada mais são do que o sono excessivo.

Ou seja, se os transtornos relacionados à insônia acarretavam a dificuldade em dormir, os de hipersonolência geram uma capacidade intensa em pegar no sono.

Há uma relação entre os dois distúrbios, isso porque a hipersonolência durante o dia muitas vezes é fruto de noites mal dormidas ou não dormidas, devido a insônia.

Doenças como a narcolepsia, que interfere no ritmo do sono, fazem parte de transtornos de hipersonolência.

Transtornos de ritmo circadiano

O ritmo circadiano define a regulagem fisiológica dos seres vivos.

Quando falamos em transtornos do ritmo circadiano na Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono, estamos falando em uma irregularidade no fisiológico ciclo do sono.

Dentre os fatores delimitados estão: síndromes de jet lag e dificuldade para engate, e avanço do sono dentro dos seus ciclos naturais no estado de hibernação.

Parassonias

As parassonias estão relacionadas diretamente com os transtornos para despertar.

Além disso, está diretamente relacionado a movimentos estranhos durante a noite, como se a atividade cerebral mantivesse-se ativa, como acontece no sonambulismo.

Transtornos de movimentos

Este, está relacionado diretamente a inquietações e situações semelhantes, onde movimentações corporais constantes e repetitivas acontecem durante a noite, devido a algum estímulo cerebral.

Bruxismo, câimbras, batidas corporais relacionadas à ansiedade ou até mesmo ingestão de substâncias prejudiciais, como drogas, tendem a acarretar esses transtornos.

Muito além da Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono

Agora que você já sabe a importância da Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono é importante que você siga acompanhando a saúde do seu sono.

Para isso, estamos disponibilizando via download o o e-book “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

Isso tudo porque cuidar do seu sono é cuidar do seu principal patrimônio, o seu corpo.

Para isso, a CIDS nos deu uma força em conhecimento que pode ser ainda mais massificado com o e-book “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

↪ Baixe o e-book gratuitamente aqui

Como o zumbido afeta o sono e como evitar esse sofrimento

Você já sentiu um zumbido em seu ouvido durante a noite?

Está tudo indo muito bem, quando de repente o seu ouvido começa a chiar. Você acorda e vê que não tem nada, pelo menos aparentemente, fazendo algum tipo de som.

Independentemente dos sons que você pode estar escutando durante a noite, é importante que você saiba que todo e qualquer tipo de zumbido está relacionado a algum distúrbio do sono.

O zumbido pode ter diferentes sons e variar de acordo com os indivíduos.

Enquanto algumas pessoas escutam um zumbido semelhante aos dos insetos, outras podem escutar um chiado semelhante ao som do chuveiro, um assobio etc.

Isso gera dificuldade em conseguir dormir, seja engatando o sono ou mantendo-o constante, e é extremamente prejudicial à sua saúde.

Ter controle sobre o seu fluxo de descanso é fundamental para a sua qualidade de vida, mas antes de qualquer coisa, precisamos conhecer melhor do que se trata esse assunto.

E no intuito de entrarmos nessa estrada de conhecimento, vamos juntos com esse artigo, alertar os motivos, causas, prevenções, tratamentos e tudo mais que você precisa saber quanto ao zumbido noturno.

O zumbido é mais comum do que você imagina

Você pode ter ficado receoso de compartilhar sobre esse problema com outras pessoas, o que é natural, mas saiba que o zumbido auditivo é mais comum do que você imagina.

Há quase dez anos, em uma pesquisa realizada em 2010 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) notou-se que 278 milhões de pessoas em todo o planeta sofre com o Tinnitus, nome técnico dado ao problema de zumbido noturno.

Se formos traçar esses dados em âmbito nacional, no Brasil está aproximadamente 10% de todo o contingente de pessoas que sofrem com os zumbidos, sendo especificamente 28 milhões de indivíduos que precisam conviver com esse transtorno.

A grande diferença entre os zumbidos de algumas pessoas para com outras é a forma em que eles se apresentam.

Há mais de 200 maneiras que o zumbido pode se manifestar, sendo as mais comuns:

  • Chiado (mais comum)
  • Apito
  • Assobio
  • Barulho de campainha
  • Barulho de cachoeira
  • Som de concha
  • Pulsada no coração
  • Panela de pressão
  • Som de insetos

Mas, por que os zumbidos ocorrem?

zumbido

Talvez você tenha entendido que zumbido é algo mais natural do que pensamos, entretanto, ser natural não significa que seja normal.

E além de entender a sua recorrência, é importante que saibamos o por que o zumbido ocorre, e a partir daí, que os diagnósticos de prevenção e tratamento poderão iniciar.

O primeiro fator que leva ao zumbido noturno é a sua forma de realizar as atividades no cotidiano.

Você está acostumado a se expor constantemente ao barulho?

Se sim, a possibilidade de você sofrer com zumbidos durante a noite passa a ser maior.

Sabe aquela história de não colocar o fone tão alto no ouvido, ficar atento quanto ao volume da televisão e demais exposição a barulhos intensos… então, tudo isso contribui diretamente para que você sofra com zumbidos noturnos.

O zumbido passa a estar associado a distúrbios do sono a partir daí, já que uma vez que o seu cérebro continua recebendo informações por meio de sons, o repouso não será completo e você automaticamente passará a ter dificuldades para dormir.

Em algumas ocasiões também, o zumbido pode estar diretamente relacionado a distúrbios como crises de ansiedade, depressão, irritabilidade e desgaste emocional.

Justamente por essa variação de possibilidades, o tratamento nesses casos é um desafio para os especialistas na saúde do sono.

Entretanto, é muito importante que venhamos em busca desse tipo de conhecimento para que tenhamos uma vida completa, quanto aos cuidados com a nossa saúde.

O principal alvo dos zumbidos

Profissionais que se expõem muito ao barulho, principalmente próximo aos tímpanos, são os mais propensos a sofrer com zumbidos durante a noite.

Operários de metalúrgicas, DJ’s, repórteres esportivos, músicos e stafs de bandas e eventos estão submetidos a muito barulho de forma constante e, consequentemente, são os mais predispostos a ouvir zumbidos enquanto dormem.

Segundo o Instituto Ganz Sanchez e a Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido, os zumbidos não possuem relação com uma perda auditiva total, mas é um sinal de que alguma coisa está errada no que diz a respeito a sua saúde auricular.

Esses problemas acabam interferindo por tabela na saúde do sono, pois o som pode ocasionar o despertar precoce durante o período de descanso noturno e mantém a atividade cerebral.

Tratamentos contra os zumbidos

zumbido

Antes de pensarmos em tratamento contra os zumbidos é muito bom que a gente coloque em prática o bom e velho ditado que diz que é melhor prevenir do que remediar.

Então, é bom deixar claro que o primeiro grande tratamento é a prevenção. E quem anda de mãos dadas com a prevenção é o conhecimento.

Ter total conhecimento acerca de fatores relacionados à saúde do sono é, primeiramente, fundamental para que você tenha noção total sobre prevenção e tratamento do zumbido que afeta diretamente os estágios do seu sono.

Um dos tratamentos contra os zumbidos mais aplicados é o TRT, Tinnitus Retraining Therapy, método que busca a tranquilização no processo de ingresso do sono.

Com isso, os zumbidos não são retirados de forma grosseira, até porque isso nem é possível, mas é substituído aos poucos por outros sons relaxantes.

Ou seja, o indivíduo passa a ser exposto a um tipo de som tranquilizante para que ele não esteja em um ambiente totalmente silencioso, assim os sons calmantes o levarão ao sono.

É como se fosse um processo de progressão descontínua ou de redução de danos.

Conhecimento soa mais alto que zumbido

Independentemente das preocupações com os zumbidos, é importante saber que o conhecimento sobre esses problemas e tudo que cerca a saúde do sono é fundamental para que venhamos solucioná-los.

Pensando nisso, disponibilizamos “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”, e-book completo para que você saiba tudo o que se passa no universo do sono e venha a ser pontual no tratamento e prevenção de qualquer transtorno.

Dentre os conhecimentos que você terá acesso, estão a compreensão acerca dos zumbidos e todas as formas de evitá-los.

Então, não perca tempo e invista na sua saúde, invista no seu descanso.

Baixe agora mesmo o e-book O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono, clicando abaixo:

↪ Quero investir na saúde do meu sono de forma gratuita.

falar dormindo

Há algum problema em falar dormindo?

Você costuma falar dormindo?

Claro, provavelmente você nunca notou, mas alguém já pode ter visto e te falado.

Principalmente para quem é casado, o fato de falar dormindo pode incomodar muito a noite de sono do seu cônjuge.

Algumas pessoas possuem esporadicamente o costume de falar dormindo, outras pessoas falam demais e sempre, mas, por incrível que pareça, o hábito de falar dormindo é mais natural do que podemos imaginar.

Para que não venhamos a nos espantar (e espantar pessoas ao nosso lado) com o nosso jeito tagarela mesmo enquanto dormimos, podemos controlar esse hábito, mas para isso, é muito importante ter conhecimento quanto à saúde do nosso sono.

Hábitos saudáveis não estão relacionados apenas a alimentação e atividades físicas, mas iniciam com a saúde do nosso sono, pois é nele que começamos e terminamos o nosso dia.

Sonilóquio é o hábito de falar dormindo

Falar dormindo é uma anomalia, sim, afinal, é algo fora do comum.

Entretanto, falar dormindo é um distúrbio benigno, e tem nome, sonilóquio.

Mas, como assim, distúrbio benigno?

Distúrbios benignos no sono, como falar dormindo, são hábitos que não geram grandes transtornos em nossa saúde do sono, não chegam a ser uma doença, mas que, por serem distúrbios, não deixam de fugir da trivialidade.

Sendo assim, o sonilóquio é mais comum do que imaginamos, principalmente em crianças em desenvolvimento das suas habilidades cognitivas.

Ou seja, o sonilóquio nada mais é do que a manifestação natural das atividades, mesmo enquanto se dorme.

Parte do nosso cérebro permanece ativo e realizamos atividades naturais do nosso cotidiano, como falar.

Falar dormindo está direcionado ao Sono REM, estágio do sono onde passa-se o sonambulismo.

Por que crianças costumam falar dormindo?

Crianças costumam, geralmente, falar dormindo, pois estão em fase de formação do seu desenvolvimento cerebral e habilidades cognitivas.

50% das crianças em processo de formação cerebral possuem relatos de sonilóquio.

Esse costume de falar dormindo prossegue recorrentemente nas atividades cerebrais da criança, mesmo enquanto ela dorme, até a sua adolescência, quando ela entra na fase da puberdade.

Ainda assim, o sonilóquio não é um transtorno único e exclusivo das crianças, e afeta em menor número os jovens, adultos e até mesmo idosos.

De um universo de 50% das crianças que possuem o hábito de falar dormindo, 5% permanecem instintivamente com esse hábito ainda na fase adulta.

Mas de onde vem o hábito de falar dormindo?

Falar dormindo decorre-se da continuidade das nossas atividades cerebrais.

Enquanto dormimos, o ideal seria que estivéssemos em total estado de hibernação, mas determinados módulos do nosso cérebro permanecem acordados.

O movimento dos nossos olhos gera o Sono REM, no qual já falamos sobre, e nesse estágio a nossa imaginação funciona, mesmo inconscientemente, e os nossos pensamentos tornam-se vívidos.

Assim como a nossa imaginação, a nossa fala é um processo natural desenvolvido pela nossa capacidade cerebral de mandar informações codificadas em palavras, dentro de um processo de comunicação.

De acordo com o site Mother Nature Network, especializado em saúde e estilo de vida, enquanto sonhamos os nossos neurônios estão em atividade.

Com os neurônios ativos, o nosso cérebro dá ordens ao nosso corpo, embora estejamos dormindo.

Por isso, falar dormindo combina diretamente com o estado de sonambulismo.

Contudo, no estado sonilóquio, apenas parte das atividades cerebrais fica ativa, e é comum que as falas não façam sentido algum ou seja carregada de sotaques e trejeitos incomuns.

Ou seja, não se assuste caso um dia você acorde no meio da noite com o seu marido ou esposa falando nada com nada em um dialeto completamente desconhecido ou misturando termos, línguas e sotaques.

Como evitar de falar dormindo

falar dormindo

Ok, você já entendeu a normalidade da natureza em falar dormindo, mas seria interessante você criar alguns hábitos para evitar.

Isso porque, quando você fala dormindo, é sinal que algo ainda está ativo em seu cérebro que deveria estar no máximo em estado de hibernação enquanto você dorme.

Seja ansiedade, preocupação ou estresse, você precisa criar hábitos saudáveis para que possa dormir bem.

Afinal, falar dormindo pode não ser tão prejudicial assim para você, mas com certeza interfere no sono das pessoas que estão ao seu lado.

Então, confira alguns hábitos que você pode começar a praticar hoje mesmo.

Durma relaxado

Embora seja fácil falar e difícil agir, é essencial que as preocupações da sua rotina fiquem do lado de fora da sua cama.

Em casos de ansiedade, é importante que você passe em um especialista para diagnosticar e tratar qualquer tipo de transtorno.

Prepare o ambiente do seu sono

Sim, é importante que o nosso ambiente esteja bem preparado antes de dormir, o que significa um lugar arejado, fresco e tranquilo, sem aberturas de luzes e sons.

Quanto mais escuro melhor, para um ambiente adequado a uma noite de sono.

Por isso, desligue os equipamentos eletrônicos e evite de usá-los próximo ao horário de dormir, além disso, tire os equipamentos eletrônicos da tomada, para que as luzes stand by se apaguem e as ondas elétricas cessem.

Alimentação é fundamental

Procure não se alimentar próximo ao horário de dormir.

Evite alimentos pesados e gordurosos próximos ao momento de descanso noturno.

O processo de digestão pode atrapalhar o processo de relaxamento do seu corpo para entrar no estado de hibernação.

Para não falar dormindo, é bom conhecer sobre o sono

A importância em saber como evitar falar dormindo é exatamente para o controle da saúde do seu sono.

Para que você possa ter uma vida saudável, saber como dormir bem é fundamental.

Entre outras coisas, evitar falar dormindo é de extrema importância para que você, e quem estiver próximo de você, venha a ter noites de sono tranquilas.

Pensando na saúde do seu sono, desenvolvemos o e-book “Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

O material servirá para que você conheça melhor sobre os transtornos do sono, como falar dormindo, sobre doenças e anomalias que atrapalham o seu sono, sobre vencer essas dificuldades e ter uma vida saudável desde a hora que acorda até a hora de dormir.

O download já está disponível, confira.

Quero baixar o Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono.

sonhos

O interessante universo dos sonhos (porque sonhamos)

Se pararmos para pensar, todos os dias entramos em um universo paralelo enquanto dormimos, o universo dos sonhos.

Algumas vezes nos lembramos do filme que passou em nossas cabeças enquanto dormimos, e após acordarmos, na maioria das ocasiões sequer conseguimos nos lembrar do que sonhamos durante a noite.

E é aí que surgem várias interpretações diferentes acerca dos sonhos.

Enquanto religiões, dogmas e místicas distintas possuem inúmeros e relativos significados quanto as interpretações dos sonhos e o motivo da sua existência, a ciência busca explicações quanto ao fenômeno, efeitos e interferências relacionadas à saúde do nosso sono, enquanto seres humanos.

Conhecer sobre o sono é essencial para uma vida saudável como um todo, já que é ele que tem como função repor toda a nossa energia durante a noite para que tenhamos um dia ativo.

É necessário então, que saibamos o que acontece enquanto dormimos, inclusive os motivos que nos levam a sonhar.

Quais são os seus sonhos?

Nós, seres humanos, somos movidos por sonhos.

Mas quando falamos dos nossos sonhos pessoais, deixamos o campo do sonho como um fenômeno natural e vamos para o campo filosófico.

E o que isso, então, tem a ver com a realidade anatômica dos sonhos, já que ele faz parte do ciclo do nosso sono, sendo então uma necessidade fisiológica que todos temos.

Isso pode ser explicado justamente enquanto dormimos e, de repente, nos pegamos sonhando, pois são nos sonhos que projetamos em nosso pensamento imagens de ações que não estão sendo desenvolvidas na prática.

É justamente por isso que o maior nome de psicanálise em todos os tempos, o austríaco Sigmund Freud, certa vez afirmou conforme estudos, que os sonhos são as expressões dos nossos maiores desejos reprimidos.

Ou seja, quando temos a utopia e o desejo latente por algo, os chamamos de sonhos, pois é algo que desejamos fortemente, embora não tenhamos vivenciado de forma prática em nossas vidas.

Qual é a origem dos sonhos?

Cientificamente falando, os sonhos são frutos de uma fase, em nosso estágio do sono, chamada “Sono REM”.

Quando falamos sobre sono, falamos sobre um desligamento cerebral momentâneo para a entrada do nosso estado de hibernação, mas o seu sono tem estágios e os sonhos fazem parte do avanço desses estágios.

Para que você tenha uma ideia do quão simples e natural são esses estágios do nosso sono, eles até passam de forma despercebida.

Você consegue se lembrar recorrentemente como pega no sono? Você se lembra em que momento pegou no sono na última noite?

É difícil lembrar, não!?

Isso porque o estado de desligamento do nosso corpo em nosso momento de repouso também desliga a nossa capacidade de percepção, as habilidades cognitivas entram em “modo soneca”, embora o cérebro mantenha-se trabalhando.

Esse estado de relaxamento instantâneo é o fruto do acúmulo de cansaço que interfere diretamente nas nossas capacidades cognitivas, gerando-nos prejuízos em nosso cotidiano, justamente devido a falta de sono.

No início do nosso estágio de sono, o nosso descanso é mais leve e dificilmente temos os nossos sonhos mais vívidos. Nessas horas, qualquer luz externa ou barulho pode fazer com que você acorde.

Como a nossa atividade cerebral ainda está afetada pelo cansaço, o esforço para que ele nos transmita imagens que ficaram armazenadas em nosso cérebro é pequeno, já que o principal intuito do nosso corpo enquanto dormimos é que recuperemos a nossa energia.

Conforme o nosso sono aumenta, o nosso corpo vai liberando a reposição de energia e a atividade cerebral vai gerando vida em nossas imaginações noturnas, ou seja, sonhamos.

Esse estágio de descanso intenso que nos leva a ter sonhos é denominado de “Sono REM”, sigla em inglês para Rapid Eyes Movement (Movimento Rápido dos Olhos).

Ou seja, enquanto sonhamos, os nossos olhos movimentam-se na mesma frequência das nossas atividades cerebrais.

A relação entre os sonhos e a realidade

sonhos

Você já se sentiu extremamente exausto e estressado por algum motivo que só uma boa noite de sono poderia recuperar? Enquanto você dormia, embora possa não lembrar, você provavelmente sonhou.

Isso acontece, pois quando você dorme a parte central do seu cérebro que libera os mecanismos de atividade corporal é desligada, mas por outro lado, o restante da sua capacidade cerebral permanece.

Por isso que, ou você não se lembra sobre o que sonhou, ou lembra-se vagamente, ou os seus sonhos possuem traços de irrealidade.

Tudo isso é natural, já que temos desejos reprimidos e a nossa capacidade cerebral é totalmente conivente.

Como nem tudo está sob o nosso controle, os nossos sonhos reproduzem os nossos desejos inconscientemente.

Por isso que costumamos dizer que os sonhos estão diretamente ligados à realidade, embora pareçam andar tão distantes uns dos outros.

Mas, afinal, os sonhos são bons ou ruins?

Paralelo aos sonhos existem os pesadelos, abominados por todos.

E essa linha tênue nos faz perguntar: os sonhos são bons ou ruins para nós, seres humanos.

E a resposta é simples: é natural.

Como assim, natural?

Nem bom, nem ruim (mais em cima do muro impossível, né!?), mas vamos explicar melhor.

Se os sonhos são as manifestações dos nossos desejos reprimidos em nosso subconsciente, os pesadelos manifestam os nossos medos e temores.

A atividade de manifestação cerebral é a mesma para ambos e acontecerá naturalmente, pois faz parte do estágio de atividade do nosso sono.

Como ter controle sobre os seus sonhos?

sonhos

Basicamente, não temos como controlar os nossos sonhos. Entretanto, temos como ter um bom conhecimento quanto a saúde do nosso sono.

Ao termos controle sobre a nossa condição física para dormirmos bem, ficaremos suaves quanto ao nosso estado sonhador.

Para isso é importante que você não vá para cama com grandes preocupações e prepare bem o seu ambiente antes de dormir.

Um lugar arejado, escuro e tranquilo para que você deixe os seus medos e preocupações no dia seguinte é fundamental para uma noite de sono.

Afinal, se os sonhos fazem parte de um processo natural do sono, não cabe a nós combatê-los, mas, sim, levá-los de uma forma leve.

Para isso, não podemos potencializar as emoções reprimidas, seja de preocupação ou medo, que nos leve a ter sonhos e pesadelos que interrompam a nossa noite de sono.

O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono

Amarrando ao que falamos no início desse artigo, ter conhecimento sobre a nossa noite de sono é fundamental para uma vida saudável e, por tabela, conhecer sobre os sonhos faz parte de uma rotina com saúde em todos os processos de nossa vida.

Pensando nisso, estamos disponibilizando o download do e-book “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

No material, entraremos mais profundamente nas questões relacionadas aos sonhos e as suas relações com um sono saudável.

Agora que você sabe que uma rotina com saúde começa na hora que você acorda e termina quando você dorme, é hora de você ter mais noções sobre o quanto ter uma boa noite de sono é essencial para o seu dia a dia.

Tenha o conhecimento necessário para dormir definitivamente bem

Baixe gratuitamente o “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

álcool, sono, distúrbios do sono

Álcool atrapalha a qualidade do sono em 40%

Você é uma pessoa que gosta de beber socialmente? É válido ressaltar que, embora o álcool seja um facilitador para problemas de saúde, principalmente ao fígado, ele tem, também, relações diretas com distúrbios do sono.

Claro que o intuito desse artigo está longe de te desencorajar a beber.

Entendemos que tudo em excesso faz mal, por isso queremos alertar alguns cuidados que você deve tomar relacionados a horários, frequência e intensidade da ingestão de álcool, pois ele pode afetar, dentre outros fatores, o seu sono.

A geração atual têm se preocupado cada vez menos com a sua saúde, e quando falamos sobre isso, abrangemos o cuidado com a saúde do corpo, e também com a saúde mental.

Da mesma forma que há o alerta constante quanto às preocupações, quanto à saúde do corpo incentivando uma alimentação saudável e exercícios físicos, é importante que haja o entendimento geral de que a qualidade do sono faz parte desse processo.

Com isso, o conhecimento é sempre importante para o controle da saúde do sono, sua relação com a nossa qualidade de vida, de modo geral, sabendo como combater possíveis distúrbios do sono.

Uma geração que gosta de álcool e tem problemas com sono

Os jovens têm iniciado a sua relação com o álcool precocemente, muitas vezes até mesmo antes do mínimo permitido para compra e consumo, que são aos 18 anos, onde o jovem atinge a maioridade.

Da mesma forma, podemos identificar uma série de problemas relacionados ao sono com essa geração.

De acordo com a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) em pesquisa realizada em 2016, 80% dos adolescentes já haviam bebido pelo menos uma vez na vida.

Ainda segundo a pesquisa, 33% dos alunos de Ensino Médio consumiam álcool naquele tempo.

A Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD) fez um levantamento na mesma época que concluiu que 22% dos jovens universitários eram tendenciosos a criar uma dependência do álcool.

E, embora o álcool seja uma substância lícita, de comércio e consumo permitido no Brasil (para maiores de idade), as suas substâncias químicas geram, se consumida de forma constante e excessiva, uma dependência.

E, dentre outros problemas causados pelo álcool, estão alguns distúrbios do sono.

E, convenhamos, se há algo que o jovem de hoje em dia gosta tanto quanto beber, como vimos nos números acima, é dormir. Mas infelizmente não tem sido um sono de qualidade.

Os efeitos do sono na adolescência e juventude dá-se justamente devido às alterações corporais e das habilidades cognitivas do indivíduo, onde os hormônios do cortisol e melatonina são ativados mais constantemente.

O primeiro desses hormônios é responsável para nos manter acordado e o outro para preparar o nosso corpo ao repouso.

Mas, também, podemos dizer que temos uma geração que dorme mal, por trocar horários de sono, se alimentar mal, e também por ser desregrada no consumo do álcool.

Os distúrbios do sono presente na sociedade atual

Segundo a Agência Brasileira de Vigilância Nacional (ANVISA), pouco mais de 36% dos brasileiros sofrem com distúrbios de sono, o que significa um universo de 73 milhões de brasileiros.

Inicialmente esses problemas relacionados ao sono, são frutos da falta de responsabilidade pessoal com os cuidados em dormir o tempo suficiente para repor as suas energias.

E nesse momento encontramos os jovens que trocam uma noite de sono pela boêmia do álcool.

A falta de conhecimento quanto a saúde do sono é outro fator fundamental para essa negligência.

Tipos de distúrbios do sono

álcool, sono, distúrbios do sono

Os distúrbios do sono abrangem um leque muito grande, os mais comuns são:

  • Insônia
  • Apneia do sono
  • Bruxismo
  • Sonambulismo
  • Síndrome das pernas inquietas

Esses distúrbios do sono podem ter decorrência direta dos problemas relacionados aos maus hábitos, ou serem sintomas de outros problemas como ansiedade e depressão.

A relação do álcool com os distúrbios do sono

Os problemas relacionados ao sono, como os distúrbios citados, podem ser intensificados pelo álcool.

De acordo com estudos realizados pela Universidade de Jyväskylä, na Finlândia, a ingestão de álcool influencia gradativamente na qualidade do sono.

Para termos uma noção, um baixo consumo de álcool próximo do período de sono reduz em 9,3% a qualidade do sono, quando ingerido de forma moderada a qualidade do sono reduz em 24%, e quando consumido em excesso, a qualidade do sono reduz abruptamente em 39,2%.

Esse estudo foi publicado por um dos mais renomados jornais relacionados a questões clínicas e médicas, o JMIR Mental Health.

Você já reparou que o sono é eficaz para a renovação do corpo, mente e espírito?

Mas quando a pessoa consome álcool, ela automaticamente cai em um sono profundo, o que impede que ela passe por todos os estágios do sono, o que define uma noite de descanso de qualidade.

Quando dormimos após consumir álcool, a tendência é justamente entrarmos num estágio de desligamento total, tamanho o cansaço do nosso corpo, ou seja, não repousamos, que é o verdadeiro ideal de dormirmos.

O conhecimento sobre o sono

Você precisa absorver todas essas informações, pois elas são importantes para se manter um estilo de vida mais saudável e ter uma expectativa de vida maior.

E essa expectativa deverá ser baseada no autocontrole e na busca por um sono adequado.

Pensando na importância de ter esse conhecimento quanto a saúde do sono, incentivo o download e a leitura do e-book “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono”.

Através dos conhecimentos trazidos pelo guia, você com certeza vai se alertar das questões relacionadas aos distúrbios do sono, inclusive das relacionadas ao consumo de álcool.

Além disso, ao fazer o download do material você terá maiores informações sobre doenças e síndromes que afetam o ciclo do seu sono.

Tudo isso, influencia diretamente no estilo de vida saudável, tanto quanto a preocupação com a realização de atividades físicas que mantém o corpo em movimento, e o controle de uma alimentação balanceada.

O sono inicia e encerra o nosso dia, e os cuidados com ele são fundamentais para uma melhor qualidade de vida, por isso conhecer o seu sono é tão importante.

Como médico psiquiatra especializado em medicina do sono, aconselho que você baixe gratuitamente o e-book “O Guia Definitivo para uma Boa Noite de Sono” e tenha o conhecimento necessário para dormir bem por toda a sua vida.

↪ Quero saber como dormir bem de agora em diante.